A União Europeia (UE) e o Japão assumiram nesta semana um acordo comercial que vai ter como moedas de troca principais os automóveis japoneses e os produtos agrícolas europeus.

No acordo assumido por Donald Tusk (presidente do Conselho Europeu) e Jean-Claude Juncker (presidente da Comissão Europeia) e o Primeiro-Ministro japonês, Shinzo Abe, os carros japoneses de passageiros verão abolida, nos próximos sete anos, uma taxa de 10 por cento que pagam para entrar no mercado automóvel europeu.

Os componentes automóveis livrar-se-ão também beneficiarão (mais rapidamente) da abolição destas taxas, com os fabricantes japoneses Toyota e Honda a beneficiarem de condições, agora, mais semelhantes às que têm noutros pontos do mundo, como nos EUA.

O espaço europeu pode, todavia, repor restrições na importação de automóveis japoneses se aquela aumentar de uma forma que a UE não quantificou. Os produtos europeus com destaque para os agrícolas beneficiam, pelo seu lado, também da descida de impostos para a sua entrada no Japão.

O acordo já assumido pelas instâncias europeias e pelo Japão – mas que ainda está incompleto em algumas partes como, por exemplo, tendo por decidir como e onde se arbitram conflitos entre partes – tem agora de ser ratificado pelos vários governos dos países da EU.