A Amnistia Internacional exigiu esta sexta-feira medidas de proteção das crianças migrantes isoladas que estão a afluir aos EUA, provenientes da América Central, entre as quais que não sejam detidas em centros migratórios.

Através de um comunicado, a organização não-governamental pediu também que se garanta que nenhuma criança seja devolvida a um país «onde corra riscos de sofrer violações graves dos seus direitos humanos».

O fluxo de menores migrantes da América Central que viajam sós, a partir dos seus países para os EUA, empurrados pela violência, cresceu nos últimos meses e converteu-se num problema regional.