O Conselho Regulador da ERC anunciou a abertura de “um processo de averiguações sobre a cobertura jornalística dos acontecimentos em Pedrógão Grande” – o que é perfeitamente normal e inquestionável. Mas, quando esclarece que essas averiguações apenas incidem numa “reportagem emitida, na edição de ontem [domingo], do Jornal Nacional da TVI” sobre os incêndios, isso é algo que já não se entende e carece de uma explicação por parte do regulador.

Porquê a TVI? Porquê só a TVI? E o que de especial havia nessa reportagem que motiva a ERC justificar-se com uma sintonia “com a sociedade portuguesa” que nunca ninguém viu? Ou de ensaiar julgamentos morais com critérios que não são explicados mas que, no entender dos conselheiros, serão suficientes para calibrar o que os próprios consideram ser “uma sensibilidade profissional a toda a prova”.

A Direção de Informação da TVI não recebe lições de ninguém sobre sensibilidades profissionais. Nem do regulador, que se deve limitar ao cumprimento do seu dever e da missão que lhe foi fixada pelas leis da República. A informação da TVI faz jornalismo. Apura factos, vai para o terreno, procura proximidade com os portugueses – e tem-no feito com sucesso, porque recolhe há anos consecutivos, mês após mês, a preferência da maioria dos cidadãos. Este sim, um indicador objetivo que valida a sintonia com a sociedade portuguesa que, sabe-se lá como e porquê, a ERC reivindica para si.

Os acontecimentos de Pedrógão Grande são uma tragédia a vários níveis. Estamos todos chocados com a devastação, sobretudo o inusitado número de perdas humanas até agora registadas. É uma contabilidade macabra que toda a gente dispensaria mas ninguém pode ignorar. Nomeadamente os jornalistas, a quem cabe tratar as várias dimensões dessa tragédia.

Há órgãos de comunicação social que decidiram revelar as fotos de crianças que morreram nos incêndios. Outras televisões abriram os seus principais serviços noticiosos mostrando corpos espalhados no chão, enfatizando a gigantesco cemitério em que num ápice se transformou aquela que fica para a nossa memória coletiva conhecida como a estrada da morte.

Não têm sido essas as nossas opções editoriais. Conscientemente a TVI tem procurado respeitar a dor de quem sofre, sem a esconder. Nas horas e horas de emissão e diretos, é feito pelos seus profissionais um esforço de contenção, sem prejuízo do rigor, da verdade e daquilo que a nossa orientação editorial considera ser notícia relevante.

No seu curto mas significativo comunicado, a ERC não diz qual a reportagem que vai investigar e esconde-se nas “mais de 100 participações que contestam o plano televisivo em que aparece um dos cadáveres da tragédia”. O que presumivelmente reduz o problema a uma questão de ângulo. E remete, também presumivelmente, para uma reportagem “live on tape” que a jornalista e diretora-adjunta desta estação realizou em aldeias onde bombeiros ou equipas de resgate tinham sequer ainda chegado.

Num desses locais, estava efetivamente um cadáver, estendido há muitas horas e tapado com um lençol branco – a pior das metáforas da incapacidade da assistência civil atender todas as populações que foram implacavelmente atacadas pelas chamas. Esta circunstância confere um evidente relevo informativo, que não compete ao regulador definir.

A TVI lamenta profundamente a terrível catástrofe e está solidária com as pessoas que perderam familiares ou bens fundamentais para as vidas dos sobreviventes. Mas chegará o momento de fazer as perguntas sobre o que falhou, porque falha sempre, e como é possível falhar nestas proporções. O cumprimento do nosso papel de órgão de comunicação social é tributário dos mais profundos sentimentos que abalam o povo português. Mas também da obrigação de o manter informado, vigilante e exigente – para que não volte nunca mais a acontecer.

A Direção de Informação da TVI aproveita esta ocasião para informar a entidade reguladora do setor, zeladora que é do rigor na atividade dos órgãos regulados, que o Jornal Nacional da TVI acabou em 2009, tendo desde então e até à data adotado a designação de Jornal das 8.