A Aquaponics Iberia é a única 'startup' portuguesa a demonstrar como produzir alimentos saudáveis contribuindo para a sustentabilidade e para a poupança de água, na Web Summit 2017, que decorre em Lisboa de 06 a 09 de novembro.

Pela primeira vez na Web Summit, a Aquaponics Iberia quer convencer empresários e empreendedores a produzir peixes, vegetais ou frutas usando um método integrado de produção, através da água.

"A junção da aquacultura com a hidroponia anula as desvantagens destes dois métodos de produção, ou seja, a descarga de efluentes ou resíduos", explica à agência Lusa o sócio-gerente João Cotter.

Além de utilizar práticas sustentáveis, continua, este tipo de produção não só "não desperdiça água, uma vez que consegue poupar até 90% da que utiliza", como também é já usada em países do continente americano e do Médio Oriente para combater a seca e a falta de água.

Através de um circuito fechado de água, a 'startup' demonstra que consegue produzir, num tanque de aquacultura, várias espécies de peixes, cujos resíduos são depois libertados, transformados em nutrientes líquidos, ao passarem num filtro, e transportados pela água para ajudarem no crescimento de produtos agrícolas.

"Tem a vantagem de produzir de uma forma sustentável sem impactos ambientais e sem a incorporação de fertilizantes sintéticos ou pesticidas", garante.

A aquaponia é inovadora em Portugal e começa a dar os primeiros passos a nível internacional.

Aos 44 anos, João Cotter, com licenciatura em gestão de empresas e mestrado em biologia marinha, decidiu tornar-se empresário, depois de transformar numa ideia de negócio os conhecimentos adquiridos ao longo de vários anos na investigação e consultoria em aquacultura.

Criada em fevereiro deste ano a partir de Torres Vedras, a Aquaponics Iberia é ainda uma microempresa que pretende servir-se do Web Summit como "rampa de lançamento" para o mercado internacional.

"Ainda antes da Web Summit, já está a ser muito positivo, porque estão a surgir novos contactos e interesses por parte de empresas estrangeiras", adianta.

O tipo de produção aquapónica, com custos a rondar os 10 mil euros, destina-se não só a clientes domésticos, como também a industriais.

"Na vertente doméstica, temos feito mais ações de formação dando autonomia às pessoas para criarem os seus sistemas domésticos. A nível industrial, há interesse de restaurantes, universidades ou produtores agrícolas e aquícolas. Temos sido também procurados para instalar estes sistemas em espaços citadinos, como Torres Vedras", explica.

Até agora, a empresa tem contratos estabelecidos com três clientes, mas possui um número muito maior de intenções de negócio, cuja concretização depende da publicação de legislação para o licenciamento em aquacultura.

Fundada em 2010 por Paddy Cosgrave e os cofundadores Daire Hickey e David Kelly, a Web Summit é um dos maiores eventos de tecnologia, inovação e empreendedorismo do mundo e evoluiu em menos de seis anos de uma equipa de apenas três pessoas para uma empresa com mais de 150 colaboradores.

A cimeira tecnológica, que nasceu em 2010 na Irlanda, vai manter-se em Lisboa até 2020 e poderá ficar por mais dois anos.