O Facebook vai começar a limitar a visualização de fotografias e a reprodução de vídeos com conteúdos violentos. As imagens serão interditas a utilizadores cujo registo denuncie uma idade inferior a 18 anos e vão ainda conter um aviso de imagens violentas.

Os vídeos violentos irão ter um alerta para conteúdos que podem «chocar, ofender ou perturbar» e estarão disponíveis para utilizadores maiores de idade. No entanto, a reprodução automática que existe no «feed» de notícias não estará ativa e será necessário fazer um clique sobre os vídeos para poder visualiza-los.

A atitude por parte da rede social tem por base as inúmeras críticas que se relacionam com imagens de cariz violento como decapitações. Um dos «posts» em que o aviso é colocado é o do vídeo da morte do polícia Ahmed Merabet por um dos terroristas envolvido no ataque ao «Charlie Hebdo», na semana passada.

O Facebook confirmou que este regime está a ser implementado desde dezembro e, gradualmente, chegará a todos os perfis dos utilizadores. A rede social já tinha utilizado avisos, ainda que de forma básica, para advertir as pessoas acerca da visualização de conteúdos de decapitações depois de, em 2013, o primeiro-Ministro David Cameron ter referido que era irresponsável por parte do Facebook postar esses vídeos especialmente sem um aviso prévio.

Vários críticos sugerem que a rede social devia proibir totalmente imagens ou vídeos com violência extrema, no entanto algumas entidades, como a Childnet International – que promove segurança na internet para menores -, já felicitaram a rede social pela recente iniciativa.