Ainda há quem acredite no amor à primeira vista. Na troca de olhares e sorrisos, antes que o nome surja nos lábios. Pode ter sido no comboio, no autocarro ou no metro. Para quem ficou com a sensação de ter encontrado a sua cara metade, mas não teve tempo ou coragem de perguntar o nome ou pedir o telefone, nasceram algumas páginas no Facebook que dão esperança a quem procura «esse alguém especial».

Têm pouco tempo de vida, mas numa semana conquistaram milhares de adeptos. «Vi-te no comboio» tem mais de 32 mil seguidores e chegou primeiro ao Facebook. Foi criada a 31 de Janeiro de 2014. A 3 de fevereiro nasceu «Vi-te no autocarro» que já conta com mais de sete mil «likes».

Daniel com 24 anos, Tiago com 17 e Pedro com 20 anos, são os mentores destas duas páginas. Porque eram só homens e não queriam conotações erradas, convidaram Ana, com 20 anos, a juntar-se ao grupo. São todos estudantes e, em «nome da sua privacidade», apenas divulgam os nomes próprios.

Admitem à tvi24.pt que são uma espécie de «cupidos do século XXI» e, apesar de ainda nenhum ter experimentado o «amor à primeira vista», acreditam que este «é possível». Mas todos já sentiram «curiosidade por alguém à primeira vista no comboio ou em outro lugar do quotidiano».

A ideia surgiu entre conversas e após uma visita ao site «I Saw You» (www.isawyou.com ). Depois de procurarem algo parecido em Portugal descobriram a página «Vi-te no Fertagus», o comboio que liga Lisboa a Setúbal, pela ponte 25 de Abril. Mas os criadores desta página, também muito recente no Facebook, não mostraram interesse em expandir o alvo. Mas também não se opuseram à criação de uma página de âmbito nacional.

Assim nasce «Vi-te no comboio», seguida de «Vi-te no autocarro». O grupo sabe que existe outras páginas do mesmo género, algumas em jeito de «sátira», mas reconhecem que a página «Vi-te no metro» parece também ser «séria».

O que este grupo de quatro «amigos», chamemos-lhes assim, não esperava era a enorme adesão das páginas. «Estamos completamente estupefactos com tamanha adesão», confessam à tvi24.pt. Apesar de «ser um pouco assustador» e de estarem a ter muito trabalho, dizem que «tem sido muito positivo». Principalmente, as mensagens de quem adora a página e os apoia para continuarem.

E o que pretendem com as suas duas páginas? «Unir os apaixonados das linhas de Portugal». Quem procura alguém apenas tem que enviar a história, por meio de uma hashtag como, por exemplo, #linhabraga. Os administradores «analisam a história e procedem à sua divulgação» na página.

As páginas são recentes e ainda não há nenhum «casamento» a registar, mas já há casos em que as pessoas parecem ter encontrado quem procuravam. O futuro depois dirá o seu destino.