A Google reconheceu em documentos judiciais que os utilizadores do serviço de correio eletrónico Gmail não devem ter «expectativas razoáveis» de que as suas comunicações são confidenciais.

A falta de privacidade do Gmail é salientada num texto de 30 páginas que foi apresentado na terça-feira pelos advogados da Google nos tribunais de San José, no norte da Califórnia, Estados Unidos, na sequência de uma queixa coletiva em que a empresa é acusada de espiar os internautas, informou na quarta-feira a imprensa norte-americana.

«A Google abre, lê e adquire ilegalmente conteúdo privado dos correios eletrónicos das pessoas», refere a denúncia apresentada em maio.