Dormir pode ajudar o cérebro a libertar toxinas, revela um estudo da faculdade de Medicina da Universidade de Rochester, em Nova Iorque, Estados Unidos. A pesquisa revela que dormir permite ao cérebro limpar os resíduos acumulados no dia anterior, através de um mecanismo que se ativa apenas durante o sono.

Os resultados, publicados na revista «Science», demonstram que ao retrair-se as células do cérebro permitem ao fluxo deslocar-se mais rapidamente pelo cérebro, o que origina a eliminação de toxinas. «Esta pesquisa mostra que o cérebro tem diferentes estados de funcionamento durante os períodos de vigília e de sono», explicou o doutor Maiken Nedergaard, da faculdade de Medicina da Universidade de Rochester, em Nova Iorque, nos Estados Unidos.

O mecanismo, integrado no sistema sanguíneo, impulsionaria o fluxo cérebro-espinhal através dos tecidos e o devolveria purificado.

De acordo com os cientistas, quase todas as doenças neuro- degenerativas estão relacionadas com a acumulação de resíduos celulares. Por isso, a descoberta poderá fazer avançar a compreensão das funções biológicas do sono e contribuir para os tratamentos contras doenças neurológicas como a doença de Alzheimer.