Um consórcio europeu de empresas e centros de investigação desenvolveu um sistema para fazer biopsias mamárias guiadas por imagens em tempo real que permite corrigir a trajetória e conseguir maior precisão e eficiência na recolha de amostras de tumores.

Segundo os responsáveis pelo projeto, trata-se do primeiro sistema de recolha de amostras de cancros da mama que oferece supervisão e orientação do processo em tempo real, calculando automaticamente a melhor posição da agulha para a realização da biopsia.

O projeto é desenvolvido pelos espanhóis Conselho Superior de Investigações Científicas (CSIC) e Instituto de Biomecânica de Valência e pelo britânico Health and Environment Research Institute, além de três empresas.

O sistema recorrerá exclusivamente a imagens PEM, as mesmas já usadas nas mamografias para a deteção e análise de tumores mamários.

As imagens PEM têm maior resolução e sensibilidade, permitindo a deteção de lesões mais pequenas (entre 1,5 e 2 milímetros) que não poderiam ser encontradas com tecnologias mais convencionais como o raio X, o ultrassom ou a ressonância magnética.

O uso desta tecnologia permite também uma captação heterogénea de imagens de tumores malignos, o que possibilita diagnósticos mais precoces e precisos, sendo também a duração do procedimento mais curta.

O consórcio que desenvolveu o projeto inclui três empresas europeias com experiências em tecnologia de imagens PEM, mecatrónica aplicada aos produtos de saúde e desenvolvimento de software: a espanhola Oncovision, a francesa Statice e a holandesa Virtual Angle.

A viabilidade clínica do sistema será agora testada através de um estudo de validação nas instalações do instituto Antoni van Leeuwenhoek, na Holanda.