A médica e investigadora de origem italiana Patrizia Paterlini-Bréchot defende que um teste sanguíneo que permite detetar células precursoras de cancro deve ser introduzido nas análises sanguíneas de rotina, uma forma de salvar vidas através da prevenção.

O livro da investigadora, com o título “Matar o Cancro”, chegou este mês às livrarias portuguesas, editado pela Objetiva.

Na obra, Patrizia Paterlini-Bréchot, investigadora na Universidade Paris Descartes, descreve o percurso que levou à descoberta de um teste sanguíneo – denominado ISET – que permite acusar a presença de células tumorais circulantes, “muitas vezes antes de um tumor se tornar detetável”.

Em entrevista escrita à agência Lusa, a investigadora explicou que o teste permite identificar células tumorais derivadas de qualquer tipo de cancro sólido, excluindo leucemias e linfomas.

Atualmente, o teste está disponível em França e custa 486 euros, mas a cientista admite que a equipa de investigadores está “a trabalhar para o poder tornar acessível em Portugal, Itália e nos Estados Unidos”.

O meu maior desejo é que o teste ISET se torne parte integrante de toda a análise sanguínea, como é o caso do hemograma (..). Tal exame de rotina permitirá, por um custo módico, acusar a presença de células tumorais circulantes, muitas vezes antes de um tumor se tornar detetável”, escreve a autora.

O grande objetivo é detetar um cancro antes que consiga criar metástases, momento a partir do qual é “muito difícil neutralizar” o tumor.

O cancro mata-nos porque lhe damos tempo para o fazer”, escreve a autora na introdução da obra.

Considera crucial o tempo que leva entre o aparecimento do cancro e o momento em que se descobre a sua presença, sublinhando que para “matar o cancro” é preciso “alargar os métodos de deteção precoce”.

Patrizia Paterlini-Bréchot conta que foi em outubro de 2014, após quase 20 anos de trabalho da equipa de investigação, que a equipa de investigadores concluiu ter vencido “uma batalha decisiva”, permitindo que o teste sanguíneo para detetar células tumorais funcionasse.

No Centro Hospitalar Universitário de Nice, foi possível diagnosticar de entre 245 fumadores com broncopatia obstrutiva aqueles que iam desenvolver um tumor “vários anos antes de o cancro do pulmão ser visível numa radiografia ou através de uma TAC”.

Na entrevista à Lusa, a investigadora diz que são necessários mais recursos e mais aposta na prevenção do cancro, admitindo que a sua equipa “necessita de mais meios para industrializar o teste e diminuir o seu preço”. Esta seria, diz, a única forma de o colocar ao alcance dos serviços de saúde nacionais.

A oncologista coloca como prioridade a prevenção, entendendo que “não serão as terapêuticas aplicadas depois de o cancro se ter difundido que permitirão vencê-lo”.

Depois do cancro se espalhar pelo organismo e produzir metástases, torna-se “muito difícil neutralizá-lo”, refere.

A investigadora lamenta que “o dinheiro privado seja, ainda hoje, mais investido para tentar curar a doença quando já está instalada do que a prevenir o seu aparecimento e a sua difusão”.

Segundo explica, o teste desenvolvido pela sua equipa é “sensível e específico”, não detetando falsos positivos.

Na entrevista à Lusa, adianta que mais de mil doentes já foram submetidos ao teste em França.

Para a autora, será possível ainda durante este século reduzir dramaticamente a mortalidade por cancro, sendo para isso obrigatória a aposta no diagnóstico precoce.

O diagnóstico muito precoce é a rota para salvar milhões de vidas”, defende.

Num comentário sobre o trabalho desta investigadora, o diretor do Programa Nacional para as Doenças Oncológicas disse à Lusa que o teste ISET é “um método de captar células tumorais em circulação e desenhado para o diagnóstico em fases precoces”, sendo uma das múltiplas tecnologias a que os especialistas designam por biopsias líquidas.

Esta tecnologia é mais uma arma disponível, cujo valor no diagnóstico precoce tem de ser ainda demonstrado. Mas não nos iludamos, este tipo de tecnologias não vai acabar com o cancro”, referiu Nuno Miranda à agência Lusa.

O perito português acrescenta que esta tecnologia tem ainda como desvantagem não permitir localizar o tumor.