O inverno de 2014/15 foi o mais quente de sempre na Terra. Esta é a conclusão de um estudo recente da Administração Nacional do Oceano e da Atmosfera (NOAA) dos Estados Unidos, que se refere ao período entre dezembro do ano passado e fevereiro de 2015.

Mais, neste inverno, a temperatura média na Terra e na superfície dos oceanos foi a mais quente de sempre durante igual período, batendo o recorde de 2007.

Até pode não parecer, uma vez que um inverno rigoroso fez-se sentir em vários pontos do planeta e, no caso específico de Portugal, assistimos a várias vagas de frio que baixaram os termómetros de forma acentuada.

O ano passado, de resto, foi considerado pelos especialistas como um ano recorde: o mais quente desde que há registos - 1880.

Já em 2015, o primeiro mês do ano foi considerado o mês de janeiro mais quente de sempre. Agora, fevereiro foi, segundo o instituto norte-americano, o segundo mais quente de sempre, só ultrapassado por fevereiro de 2007.

Para a NASA, no entanto, fevereiro foi mesmo o mais quente de sempre.

Os dados da NOAA e da NASA nem sempre coincidem, uma vez que, apesar da recolha de dados utilizar métodos semelhantes, o tratamento e o cruzamento de informação é feito de forma distinta. Apesar de pequenas diferenças, os dados das duas agências mostram uma conclusão comum e fundamental: a temperatura média global não pára de aumentar gradualmente.