O segundo é uma unidade de medida do tempo definida da mesma forma há cerca de 50 anos. Mas agora, investigadores alemães acreditam ter criado o relógio mais preciso que alguma vez existiu.

Em 1967, a 13ª Conferência Geral de Pesos e Medidas definiu o segundo como "a duração de 9.192.631.770 períodos da radiação correspondente à transição entre dois níveis hiperfinos do estado fundamental do átomo de césio 133". 

Os relógios tradicionais podem alterar a duração da unidade dos segundos, minutos ou horas de uma forma praticamente impercetível, falhando cerca de um nanosegundo a cada 30 dias.

De acordo com um relatório publicado na revista OSA, o novo relógio é tão preciso que, se tivesse começado a funcionar há 14 milhões de anos aquando do Bing Bang, teriamos perdido 100 segundos. Pode parecer pouco, mas alteraria de forma significativa a navegação GPS por exemplo, aumentando a precisão.

Christian Grebing, investigadora que trabalhou na criação desse novo relógio, explicou que o trabalho do Instituto Nacional de Metrologia da Alemanha "é um marco em termos de implementação prática de relógios ópticos".

A mensagem que queremos passar é que hoje podemos implementar estes relógios óticos na infraestrutura de manutenção do tempo que temos hoje e podemos ganhar com isso", acrescentou.