Uma aplicação para telemóvel, destinada aos grupos que recolhem resíduos nas praias, permite o registo de informações sobre o material encontrado, de modo a conhecer melhor a situação do lixo marinho em vários países europeus, como Portugal.

O 'Marine LitterWatch' é um projeto desenvolvido pela Agência Europeia do Ambiente (EEA na sigla em inglês) utilizando uma aplicação para telemóvel e o principal objetivo é a adoção de "uma metodologia uniforme para a quantificação de lixo marinho nas praias europeias", explicou hoje à agência Lusa Isabel Palma Raposo, da Associação Portuguesa de Lixo Marinho (APLM).

Esta organização, ligada à Faculdade de Ciência e Tecnologia (FCT) da Universidade Nova de Lisboa, é a parceira portuguesa para o 'Marine LitterWatch' e está a promover a utilização deste instrumento entre as Organizações Não Governamentais (ONG) e os grupos de cidadãos que vão realizando ações de limpeza de praias e da costa.

A informação recolhida, e tratada de forma semelhante, vai facilitar o conhecimento do que se passa nas praias europeias em termos de poluição da costa, quantidades encontradas e materiais mais frequentes, como plástico, garrafas, beatas de cigarros ou cotonetes, comparar a situação entre pontos diferentes de um país e entre países, além de permitir analisar a evolução, nos próximos anos.

"Qualquer pessoa pode utilizar a aplicação", salientou a investigadora da FCT Isabel Palma Raposo, avançando o exemplo de uma ONG que planeou uma limpeza de praia, e pode fazer uma recolha de dados, com o registo da ação, caracterização e localização da praia e data.

A ferramenta gera um código que vai ser fornecido aos participantes da ação e o próprio instrumento apresenta uma lista de tipos mais comuns de lixo nas praias.

À medida que vão encontrando os resíduos, "os participantes podem ir registando de forma simples os itens que apanharam", especificando qual o tipo de material, explicou a investigadora.

A aplicação também pode ser utilizada pelos técnicos de organizações internacionais, como a comissão para a proteção do ambiente marinho no Atlântico Noroeste (OSPAR), com a sua metodologia para a monitorização.

A grande vantagem realçada por Isabel Lima Raposo é que todos os dados são recolhidos com uma mesma metodologia e ficam centralizados.

"Ao classificar sempre da mesma maneira o lixo que é apanhado, conseguimos comparar resultados no futuro, o que por vezes não é fácil porque existem muitas metodologias diferentes de classificar o lixo", o que dificulta a comparação de resultados ou a elaboração de tendências, disse.

A aplicação, baseada nas recomendações da OSPAR e tendo em conta os requisitos da diretiva comunitária da estratégia marinha, está só disponível em inglês e a APLM gostaria que fosse traduzida para português porque "é mais fácil para as pessoas se estiver na língua nativa".

O projeto Poizon “Microplásticos e poluentes persistentes: uma dupla ameaça à vida no mar”, que analisou o lixo marinho encontrado em 11 praias portuguesas durante dois anos, concluiu que o plástico, principalmente de muito pequenas dimensões, representa 97% de todo o material encontrado.