Três tripulantes: um russo, um cazaquistanês e, pela primeira vez, um dinamarquês. A expedição da nave russa Soyuz TMA-18M arrancou esta quarta-feira na base de Baikonur, no Cazaquistão, com destino à Estação Espacial Internacional (ISS), onde deverá chegar na sexta-feira. 

O foguete que carrega a nave espacial foi lançado esta manhã, sem percalços, deixando uma nuvem de fumo branca no céu, conforme documentam as imagens em cima.

A tripulação é comandada pelo veterano astronauta russo Sergei Volkov, apoiado pelo dinamarquês Andreas Mogensen da Agência Espacial Europeia (ESA) e Aidyn Aimbetov, da agência espacial do Cazaquistão Kazcosmos.

O dinamarquês, o primeiro astronauta numa expedição destas, é conhecido como "Gagarin da Dinamarca", numa homenagem ao austronauta soviético e primeiro homem no espaço, Yuri Gagarin, em 1961.

Numa entrevista coletiva, que é citada pela Reuters, Andreas Mogensen deu conta de alguns detalhes da preparação que teve para esta expedição, como depular a perna direita, para permitir uma melhor aplicação de eletrodos durante as experiências científicas no espaço. No Twitter, entusiasmado, informou, na noite de terça-feira, os seguidores de que esses preparativos estavam quase a ser finalizados.
 

Uma das funções de Andreas Mogensen será testar novos equipamentos em bicicletas de exercício produzidas pela Dinamarca. O país lançou em 2011 bicicletas sem assentos, precisamente para serem usadas no espaço. O objetivo é ajudar os astronautas a combater o impacto negativo da ausência de peso no espaço, com a gravidade. 

Já o cazaquistanês que faz parte da tripulação deu conta de que bebeu leite de égua e comeu queijo tradicional do seu país nos últimos tempos, para entrar em órbita. Nesta expedição, o astronauta vai usar um equipamento especial para estudar os efeitos da radiação espacial sobre o cérebro.

Mogensen e Aimbetov deverão regressar à Terra a 12 de setembro, com o austronauta russo Gennady Padalka, também veterano, de 57 anos, que tem trabalhado com a ISS desde março. Padalka já acumula, de resto, um total de 878 dias no espaço, mais do que qualquer outra pessoa.

Já o chefe da expedição, o russo Volkov, regressará em março juntamente com os astronautas da Nasa Scott Kelly e Mikhail Kornienko.

Normalmente, a nave espacial Soyuz leva apenas seis horas para chegar à ISS, mas a agência espacial da Rússia está desde julho a fazer viagens mais lentas para minimizar a poluição espacial. 

A Estação Espacial Internacional é um projeto que envolve mais de 100 mil milhões de dólares, qualquer coisa como 89 mil milhões de euros e que conta com a participação de 16 nações. Orbita a uma velocidade de mais de 27.000 km/h a uma distância de 400 km da Terra.