De acordo com a BBC News, a ideia da empresa é revolucionar o conceito de entretenimento a bordo, que tem tido poucas inovações nos últimos anos. Assim, ao entrar num avião, em vez de procurar o lugar nas filas de assentos habituais, o passageiro poderá entrar dentro de uma redoma de vidro. De repente, estará dentro de uma cápsula transparente com uma vista de 360 graus, a 11 mil metros de altitude.

A Windspeed Technologies planeia vender Skydeck tanto a companhias aéreas comerciais como a particulares. O Skydeck está criado de forma a poder ser adaptado a vários tipos de aeronaves, incluindo jatos particulares.

Para já, só existem duas versões: com um ou com dois lugares. O acesso ao Skydeck será feito a partir de escadas ou elevador, dependendo do modelo, os assentos serão rotativos e terá integrado um sistema de GPS que irá disponibilizar uma série de informação sobre o voo.

Produzido com material idêntico ao usado em aviões supersónicos, a nova atração tem sido testada para se ter a certeza que não apresenta riscos adicionais. Durante a fase de teste, a Windspeed Technologies tentou perceber se adicionar esta redoma de vidro a um avião poderia trazer algum tipo de problemas. Foi preciso garantir a integridade da cúpula, no caso  de um embate com pássaros ou cargas aéreas, e verificar como reagiria à condensação, a raios UV ou a níveis de ruído. Para já, o único defeito que a empresa encontrou no Skydeck é que aumentará os gastos de combustível.

 “Queremos criar experiências excitantes de voo para os proprietários de aeronaves VIP e para a indústria de aviação”, refere a Windspeed.

A empresa lembra que quaisquer custos adicionais poderão ser compensados, no caso da aviação comercial, pelos preços cobrados a quem queira viajar com a cabeça nas nuvens.

 

 O conceito SkyDeck tem vindo a atrair atenções, uma vez que já fez uma aparição na conferência da National Business Aviation Association, que apresenta novas tecnologias do setor.

Concluída a fase concetual, a Windspeed irá fazer algumas afinações finais no design quando as encomendas começarem a chegar. O primeiro Skydeck estará pronto a voar 18 meses depois de feita a primeira encomenda.