A novidade do composto é que é “muito potente e a sua principal característica é ser capaz de atuar nas distintas fases da vida do parasita, incluindo na transmissão da doença”, disse Francisco Javier Gamo, diretor da Unidade de Malária de GlaxoSmithKline.






“Se aquela divisão não é controlada pode levar ao colapso dos vasos sanguíneos e as pessoas podem morrer”, detalhou o investigador.