“O córtex parietal posterior situa-se a montante no processo que conduz a um movimento, o que faz com que os sinais estejam mais em linha com a intenção de agir do que com a execução do movimento”, explicou Richard Andersen, professor de neurologia e que dirigiu a investigação.