As mulheres que raspam, depilam ou removem a totalidade dos pelos púbicos correm o risco de complicações como pelos encravados, infeções, queimaduras, comichão intensa, erupções cutâneas ou cortes. Um estudo recente publicado no «American Journal of Obstetrics & Gynecologyhas» revela que a maioria das mulheres que depilam a zona púbica já sofreram certas complicações relacionadas com a opção cosmética que fizeram.

«As mulheres não entendem os riscos [de rapar ou depilar os pelos púbicos], porque já removem com segurança os pelos noutras partes do corpo», refere Andrew DeMaria, pesquisador-chefe do Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde da Mulher, do Departamento de Obstetrícia e Ginecologia da Faculdade de Medicina da Universidade do Texas. «Ficam mais vulneráveis à infeção», explica o especialista.

De acordo com o «Daily Mail», DeMaria e os colegas fizeram uma pesquisa sobre comportamentos em matéria de depilação e as possíveis complicações. Os cientistas distribuíram questionários a 369 mulheres com idades dos 16 aos 40 anos, que visitaram duas clínicas de saúde pública entre abril e junho de 2012.

Os resultados revelaram que 87% das mulheres removem todos ou alguns dos pelos púbicos, enquanto as restantes admitiram já ter depilado a linha de biquíni pelo menos uma vez na vida. Sessenta por cento das mulheres também relatou ter tido pelo menos uma complicação de saúde relacionada com a depilação da zona púbica, incluindo escoriações e pelos encravados.

O mesmo estudo revelou que as mulheres com pouco peso ou peso normal são mais propensas a indicar que removem todos ou alguns dos pelos púbicos, quando comparadas com mulheres com excesso de peso ou obesas. Mas as mulheres obesas ou com peso a mais que depilam parte da zona púbica têm duas vezes mais probabilidades de sofrer uma complicação e três vezes mais probabilidades se os removerem todos. O estudo revelou ainda que menos de cinco por cento das mulheres recorreu a um médico devido às complicações ou discutiu com um clínico as práticas seguras de remoção dos pelos púbicos. As mulheres negras e hispânicas também relataram menos complicações relacionadas com a depilação do que as mulheres brancas.

De acordo com o «Daily Mail», estudos anteriores a esta pesquisa já tinham revelado que a depilação pode aumentar o risco de contrair uma doença sexualmente transmissível, porque a remoção dos pelos púbicos pode causar «défice na barreira mucocutânea», a membrana da pele, permitindo que vírus ou bactérias entrem no corpo.