Os 1.3 milhões de seguidores da Barbie Hipster, no Instagram, vão sentir a sua falta. O movimento que parodiava os utilizadores que queriam ser únicos nas redes sociais, mas acabavam por tirar as mesmas fotos cliché, chegou, esta quarta-feira, à última publicação.

Ninguém gozava com os chavões do Instagram como ela. A conta para seguir obrigatoriamente por aqueles que gostam de criticar a sociedade centrada nas redes sociais vai continuar disponível para os curiosos, mas vai deixar de fazer publicações, de acordo com Darby Cineros, a responsável pelos posts.



Na última publicação, em que a autora finalmente revelou a sua identidade, Darby agradeceu aos fãs e admitiu nunca ter pensado que a paródia se tornasse tão popular. Explicou também que a ideia era criticar a nova geração de hipster, que procura “autenticidade”, mas que acaba por atingir o oposto.
 

“As pessoas estão todas a tirar as mesmas fotografias, nos mesmos sítios, com as mesmas legendas. Eu não conseguia distinguir nenhuma das fotos que via, por isso pensei: ‘qual é a melhor maneira de deixar o meu ponto de vista do que com uma boneca produzida em massa?’”, revelou a autora, ao Wired.


Fotografias dos pés, café com desenhos, de costas ou com bonitas paisagens. A Barbie Hipster partilhou, durante meses, imagens já bem conhecidas dos utilizadores do Instagram.


















A crítica de Darby vem lembrar a luta de Essena O’Neill, que desistiu das redes sociais e afirmou que a “vida perfeita” no Intagram não é real. Segundo a autora, a proximidade do fim das duas contas não está interligada, mas que considera importante começar uma conversa sobre a apresentação das pessoas no mundo online.