Uma comunidade desaparecida há um milhar de anos foi encontrada no deserto do Novo México, uma vitória para o arqueologista da Universidade da Florida do Norte, John Kantner, que há 20 anos passa a zona a pente fino, após descobrir várias «Kivas», que são uma espécie de capelas familiares, em forma circular, e locais onde um grupo denominado Chaco celebrava pequenas cerimónias e rituais. Um passado enterrado durante séculos e que, agora, graças à tecnologia do século XXI, os drones, foi finalmente desvendado.


Os drones estão a revolucionar a ação dos arqueologistas. Neste caso, num trabalho conjunto com a Universidade do Arkansas, as restantes infraestruturas foram encontradas com a medição da temperatura do solo, sem precisarem de andar a escavar por todo o lado.

«Em duas horas descobrimos algo que demorou anos para encontrar. É impressionante», disse Kantner, citado pela «The Atlantic».


As conclusões do trabalho foram publicadas no «Journal of Archaeological Sciences».

O uso de drones para investigação está a ser seguido por outras equipas universitárias, nomeadamente, adaptando-os com lasers.