Os condenados por abusos sexuais vão ser proibidos de jogar Pokémon quando ainda estão a gozar de liberdade condicional. A medida que o governador do estado norte-americano de Nova Iorque quer pôr em prática vai afetar perto de 3.000 pessoas.

Andrew Cuomo justifica a medida dizendo que as novas tecnologias são “novas avenidas para o perigo de predadores”, pelo que o governante quer salvaguardar as crianças que brincam no mundo virtual dos perigos reais.

“Garantir a proteção das crianças de Nova Iorque é a nossa prioridade número um”, acrescentou Cuomo.

Para passar da teoria à prática, Andrew Cuomo encetou contactos com a empresa promotora do jogo, de maneira a cruzar os dados dos registos dos jogadores de Pokémon com a lista de predadores sexuais inscritos, segundo a ABC.