Uma cozinha totalmente autossustentável, sem necessidade de nenhuma ligação à rede elétrica ou à de abastecimento de água, criada por alunos do Instituto Politécnico de Viana do Castelo (IPVC), vai ser apresentada na sexta-feira, naquela cidade.

Em declarações à agência Lusa, nesta quinta-feira, o coordenador do curso de mestrado em design integrado, Ermano Aparo explicou que se trata de um espaço de preparação de alimentos "wireless".

"Não precisa de água porque tem um reservatório interno que garante uma autonomia até 30 litros e possui um sistema de bateria de 12 volts que garante a iluminação aos cerca de 28 metros cúbicos da cozinha", descreveu.

A cozinha inclui "um módulo compacto de forno e placa a lenha, uma geleira para conservar os alimentos, e uma micro estufa para plantas aromáticas".

O projeto NMEETON vai ser apresentado publicamente, na sexta-feira, pelas 20:00, na sede da Associação de Intervenção Social, Cultural e Artística (AISCA), no âmbito da exposição "PRO POP", e é o resultado  de um ano de investigação, e mais seis meses para fazer nascer a nova cozinha.

No imediato, a cozinha, concebida por 19 alunos daquele curso em parceira com três empresas, poderá ter aplicação prática "em eventos efémeros", como 'showcooking' ou festivais, mas "o objetivo é que possa ser colocado ao serviço das pessoas, por exemplo, em situações de desastres naturais, ou em países menos desenvolvidos, já que permite a preparação de refeições com qualidade alimentar".

"Este projeto foi concebido com o apoio de outros cursos do IPVC, entre os quais, o de Engenharia Alimentar que permitiu que o espaço possa garantir segurança alimentar na confeção dos alimentos", adiantou.

O espaço é construído com uma estrutura completamente desmontável, recorrendo a materiais como o metal, a fibra de vidro, o alumínio, o corian, mas também integrando materiais naturais como o aglomerado de cortiça, a madeira e o junco.

Em 2014, os alunos do IPVC agora envolvidos no projeto da cozinha 'wireless', lançaram em 2014, em parceria com empresas e instituições da região, uma bicicleta com três rodas, em madeira e com motor elétrico.

"Após o sucesso do projeto da tricicleta esta cozinha quer mostrar que a investigação aplicada, num modelo de experimentação académica, pode tornar-se um instrumento fundamental para a criação de novos modelos de desenvolvimento entre o mundo empresarial e a academia", disse o docente.