Alguma vez se questionou sobre o que aconteceria se um buraco negro se aproximasse de uma estrela? Há vários anos que a NASA está a tentar responder à pergunta e só agora avançou uma possibilidade, lançando uma animação para dar a conhecer como seria o fenómeno visto do espaço.

No estudo publicado pela NASA, esta quarta-feira, a agência espacial referiu que as estrelas podem morrer de duas formas: ou explodem, transformando-se em supernovas, ou são destruídas por buracos negros.

Esta última tinha sido difícil de perceber até agora, mas, depois de anos a observar os céus com telescópios raio-X, a NASA acredita ter descoberto como se processa. O evento, denominado “marés disruptivas”, dá-se quando uma estrela se aproxima demasiado de um buraco negro, fazendo com que a gravidade a puxe e seja sugada pela região.
 

“Temos encontrado provas de algumas marés disruptivas nos últimos anos e temos pensado em várias hipóteses sobre o que acontece”, afirmou Jon Miller, da Universidade de Michigan. “Esta é uma das nossas melhores hipóteses, até agora, sobre o que se passa quando um buraco negro despedaça uma estrela”.


De acordo com os dados obtidos no estudo, assim que a gravidade do buraco negro puxa a estrela para o núcleo, os filamentos do astro aquecem milhares de degraus celsius e criam uma chama. Assim que o material cai sobre o horizonte do buraco negro, a chama desaparece. Forma-se então um disco de fragmentos gaseificados da estrela, que orbitam em torno do buraco.

Segundo o The Independent, a maré disruptiva observada pelos cientistas encontra-se a 290 milhões de anos-luz, mas, ainda assim, foi o evento deste tipo mais próximo da Terra na última década.