Esta  é a imagem da estrela, algo que apenas foi possível por ser captada por um telescópio de raios-X.

A parte superior, com tons verdes e azuis, retrata as emissões de alta energia solar, sendo que o azul representa uma fonte mais elevada de energia.

A fotografia captada pelo NuSTAR diz respeito apenas à parte superior;  posteriormente foi sobreposta uma outra imagem, tirada pelo Observatório de Dinâmica Solar, em que sobressai o vermelho, que representa a luz ultravioleta.

 

«O NuSTAR irá oferecer-nos uma visão única do Sol, desde as partes mais profundas à sua atmosfera», afirmou David Smith, físico solar membro da equipa do telescópio na Universidade da Califórnia,  em Santa Cruz. 

«No início pensei que era uma ideia louca», comentou Fiona Harrison, do Instituto de Tecnologia da Califórnia (Caltech). 

Os cientistas acreditam que com recurso a este telescópio poderão captar hipotéticas nano-emissões de luz solar. 

O NuSTAR foi concebido para observar buracos negros e encontra-se em órbita com a Terra desde 2012, procurando raios-X de alta energia, um projeto que, entre outros objetivos, procura entender o modo como as estrelas explodem e formam buracos negros, e a ação das partículas noutras galáxias.