A Microsoft apresentou, esta quarta-feira, oficialmente, o Windows 10, «a nova versão» daquele que é o sistema operativo mais popular do mundo e que é usado em todo o planeta por cerca de 1,5 mil milhões de utilizadores. Este é o Windows da unificação, já que vai funcionar num ecossistema muito vasto de dispositivos. O Windows 10 é um sistema operativo transversal, podendo funcionar em desktops, tablets, smartphones e até na consola Xbox One.

A Microsoft anunciou que o Windows 10 vai ter atualização gratuita para quem já usa o Windows 7, Windows 8.1 e Windows  Phone 8.1. Esta oferta só vai funcionar durante o primeiro ano: ou seja, ao que tudo indica, até ao final de 2016.

Na apresentação que decorreu esta quarta-feira na sede oficial da empresa em Redmond, Washington, nos EUA, Terry Myerson, vice-presidente executivo de sistemas operativos da Microsoft, afirmou que «Hoje é realmente um dia monumental para o Windows».

«O Windows 10 é muito mais do que a versão mais recente do Windows. O Windows 10 muda as regras do jogo», garantiu, citado pela CNN.

 

E o dia pode realmente ter sido decisivo para o futuro da Microsoft. A empresa que continua a dominar o mercado do PC não tem conseguido fazer o mesmo nas áreas das tecnologias móveis. O Windows 10 é a aposta do gigante da tecnologia para inverter essa tendência.

Durante o evento de apresentação do novo sistema operativo foram reveladas várias novidades. A nova versão do sistema operativo está desenhada para funcionar em todos os dispositivos, dos computadores aos telemóveis, passando pelos «tablets» e consolas (Xbox). A ideia é permitir aos programadores criarem aplicações que possam migrar facilmente entre os vários dispositivos. Haverá também uma única loja para todas as «apps».

Outra das novidades do Windows 10 é o  regresso do menu Iniciar. Isso já tinha sido prometido em setembro de 2014, quando a Microsoft anunciou o nome do novo sistema operativo. O novo Windows incorpora dois interfaces: o ecrã «moderno» pensado para «tablets» e o «desktop» tradicional com um menu Iniciar para computadores de secretaria e portáteis.

Outra novidade é a estreia de um novo navegador de Internet: o Spartan. O «browser» Spartan é a tentativa da empresa fundada por Bill Gates de recuperar a quota de mercado que o Internet Explorer tem perdido para o Mozilla Firefox e o Chrome, da Google. O Spartan é mais leve e mais rápido do que o Internet Explorer, podendo adotar funcionalidades que a concorrência já possui, como as «extensões» do Chrome

 Quanto à versão móvel do sistema operativo, o Windows 10 Mobile, marca um regresso a uma designação que fora abandonada com o lançamento do Windows Phone. A Microsoft está a «cozinhar» uma versão especial do sistema operativo para equipamentos que tenham ecrãs com um tamanho abaixo das oito polegadas. Nos telemóveis vai haver uma nova forma de personalização com os utilizadores a terem a possibilidade de usar uma imagem de fundo no telemóvel e não partida pelos diferentes mosaicos. Um pouco como acontece no computador.O centro de notificações no telemóvel será agora sincronizado com o do PC. A Microsoft também se esforçou para simplificar as opções do Windows para telemóveis, afastando-se do grande número de separadores que existia por exemplo nas Definições do Windows Phone. 

 A assistente pessoal Cortana também está no novo Windows 10, tal como já tinha sido adiantado. O sistema de auxílio está integrado numa barra de pesquisas inteligentes, que além de permitir executar comandos de voz e fazer pesquisas, também terá capacidade para mostrar alguns cartões com informações úteis. Trata-se de inteligência artificial semelhante à Siri da Apple ou ao Google Play dos smartphones Android e está disponível em todas as plataformas, do PC às consolas.

A grande novidade para todos os que já têm uma consola Xbox One ou estavam a pensar investir numa é que será possível jogar os títulos de nova geração em computadores e «tablets» que tenham o novo Windows 10. Pelas informações partilhadas na apresentação só será possível fazer o «streaming» de jogos dentro da rede doméstica, mas foram prometidas mais novidades para as próximas semanas.  Mas a integração da Xbox com o universo Windows não fica por aqui. Há uma nova aplicação da Xbox para computadores que permitirá fazer a captura de vídeo e a partilha de passagens de jogos na Internet de forma simples. 

Por fim, a Microsoft revelou ainda dois novos dispositivos: o Surface Hub e os HoloLens.  O primeiro é um ecrã de 84 polegadas com resolução muito elevada (Ultra HD - quatro vezes a resolução do melhor da Alta Definição) que integra câmaras, microfones, colunas de som e algumas tecnologias de conectividade. O sistema está desenhado para privilegiar a interatividade e destina-se a ambientes profissionais. 
 

Os HoloLens são uns óculos de realidade aumentada que conseguem funcionar de forma autónoma, ou seja, não precisam de receber informação de dispositivos como o smartphone ou o PC.  A Microsoft pensou no ecossistema e, por isso, lançou a plataforma Windows Holographic, que permite aos utilizadores criarem os próprios hologramas. Ou seja, imagens virtuais que são apresentadas em cima da realidade - por exemplo, ao olhar-se para uma obra de arte surgem nas lentes dos óculos informações contextuais sobrepostas a zonas específicas do objeto que está a ser visualizado.

Os óculos e a plataforma holográfica vão estar disponíveis ao mesmo tempo que a versão final do Windows 10, que deverá começar a ser distribuída no outono.