Pela primeira vez uma mulher foi distinguida com a «Medalha Fields», um galardão que premeia os melhores matemáticos, de quatro em quatro anos. Maryam Mirzakhani, que é iraniana mas trabalha nos Estados Unidos, na Universidade de Stanford, foi reconhecida pelo seu trabalho em geometria complexa.

Frances Kirwan, membro do comité de seleção da «Medalha Fields», sublihou, em declarações à «BBC», que esta distinção representa um momento importante para a matemática, no mundo.

«Espero que este prémio inspire muitas raparigas e mulheres, em todo o mundo; que acreditem nas suas capacidades e na possibilidade de poderem conquistar esta medalha, no futuro», afirmou.



A cerimónia de atribuição da «Medalha Fields» decorreu em Seoul, Coreia do Sul, esta terça-feira, durante o Congresso Internacional de Matemáticos e distinguiu, para além de Mirzakhani, outros três cientistas.

Artur Avila, que trabalha no Centro Nacional de Pesquisa Científica francês, foi distinguido e tornou-se o primeiro brasileiro a vencer a medalha. Martin Hairer, da Universidade de Warwick (Inglaterra) e Manjul Bhargava, da Universidade de Princeton (Estados Unidos)também foram contemplados com o prémio.

Considerada o «Prémio Nobel da Matemática», a «Medalha Fields» existe desde 1936 e deve o seu nome ao matemático canadiano que a criou, John Fields. Os distinguidos recebem um prémio monetário de cerca de 11 mil euros.