O próximo relógio da Apple será autónomo em relação ao iPhone, ou seja, dispensa a proximidade do smartphone para se ligar à internet. A empresa de Tim Cook estará a trabalhar no novo modelo de smartwatch, de acordo o The Wall Street Journal (WSJ).

O Apple Watch, lançado em abril de 2015, surgiu como uma extensão do smartphone, tendo os utilizadores de sincronizar equipamentos para conseguirem usufruir de todas as funcionalidades. Sozinho, o relógio só disponibiliza as funções básicas de um relógio digital.

A sincronização com o iPhone acaba por gastar muita bateria do iWatch, que tem autonomia para cerca de três horas, e os utilizadores também se têm demonstrado insatisfeitos com a pouca durabilidade.

Na próxima versão do relógio da Apple, entre as melhorias conta-se que poderá suportar cartão de rede móvel 3 e 4G, dispensando a proximidade do iPhone para se ligar à internet.

Veja também: vale a pena comprar um iWatch?

A Apple não revelou o volume de vendas do relógio, mas as agências internacionais especializadas, citadas pelo WSJ, referem que o smartwatch foi responsável por cerca de 61% das vendas mundiais de dispositivos semelhantes no ano passado.

Mas também há quem o aponte como um fracasso. Facto é que em março a Apple baixou o preço do iWatch para 299 dólares (cerca de 264 euros), quando lançou o iPhone SE.