Uma sonda da NASA registou imagens de um buraco gigante na atmosfera do sol. O buraco foi detectado em meados deste mês no hemisfério norte da nossa estrela e cobriu cerca de um quarto da superfície solar.

Segundo a Nasa, trata-se de um fenómeno normal, relacionado com mudanças no campo magnético do sol. Os buracos aparecem com maior frequência em determinados períodos do ciclo de actividade solar, que demora cerca de 11 anos. Neste momento, o sol aproxima-se do final de um destes ciclos, em que há inversão do campo magnético entre os pólos.

Os cientistas sabem que estes fenómenos influenciam o tempo, porque os buracos negros são muito mais frios do que a matéria incandescente da estrela e projetam vento solar com o triplo da força do que a brisa que é projetada da restante superfície da estrela que nos dá vida.