Mais de um milhar de pessoas foram pré-selecionadas para participar num grupo de eventuais primeiros colonos do planeta Marte em 2025, indicou esta sexta-feira a empresa Mars One, na origem do projeto.

Mais de 200.000 pessoas de 140 países inscreveram-se para fazer parte desta primeira vaga de colonização, e 1.058 passaram à segunda fase de seleção, indicou a empresa holandesa em comunicado.

«O desafio, com 200.000 inscritos, é separar aqueles que pensamos serem capazes, mental e fisicamente, de se tornarem os embaixadores humanos em Marte, daqueles que tomam a missão menos a sério», assegurou Bas Lansdorp, co-fundador e presidente da Mars One, citado no documento.

O projeto Mars One, que pretende financiar a simples ida para o planeta vermelho, nomeadamente para emissões de televisão, conta com muitos céticos, apesar do apoio do holandês Gerard 't Hoofd, prémio Nobel da Física 1999.

A empresa vai selecionar, em várias fases, os 24 potenciais colonos, repartidos em seis grupos de quatro pessoas.

Estes selecionados deverão passar diversas séries de testes físicos, médicos e mentais, e participar em «simulações, nomeadamente em grupo, com um particular interesse pelas suas capacidades físicas e emocionais», acrescentou a Mars One.

A empresa tinha anunciado em dezembro ter assinado um contrato de 250.000 dólares com a Lockheed Martin Space Systems, a divisão espacial do grupo de defesa norte-americano, para estudar o conceito de um engenho de aterragem. Este engenho deverá em primeiro lugar ser enviado vazio para o planeta vermelho em 2018.

Até agora, só houve missões robóticas a Marte, todas levadas a cabo com êxito pela NASA.

Os Estados Unidos estão, no entanto, determinados a enviar astronautas para aquele planeta dentro de 20 anos.

Além da dificuldade de encontrar os seis mil milhões de dólares necessários, segundo as estimativas, o projeto Mars One, que conta com financiamentos privados, enfrenta numerosos obstáculos.

Os astronautas, além de não poderem regressar à Terra, deverão viver em pequenos habitats, encontrar água, produzir o seu oxigénio e cultivar os seus próprios alimentos.

Ora, Marte é um grande deserto cuja atmosfera é sobretudo constituída por dióxido de carbono e onde a temperatura média é de -63 graus Celsius.