O glaciar de Pine Island, na Antártida, um dos maiores contributos para a subida do nível do mar, está a derreter irreversivelmente, podendo aumentar até um centímetro as águas dos oceanos nos próximos 20 anos, segundo um estudo revelado neste domingo.

Localizado a oeste do continente branco, o glaciar é responsável por 20 por cento da perda total de gelo na Antártida ocidental.

Segundo uma equipa internacional de investigadores, citada pela revista Nature Climate Change, o glaciar Pine Island, que cedeu uma dezena de quilómetros desde 2000, está a diminuir a um ritmo cada vez mais rápido, desde há 40 anos, e vai «continuar irreversivelmente o seu declínio».

Para antever a evolução do glaciar, cientistas do Laboratório de Glaciologia e Geofísica do Ambiente de Grenoble, em França, basearam-se em três modelos de simulação do fluxo de gelo e chegaram à conclusão de que a perda de gelo poderá continuar numa extensão de 40 quilómetros nos próximos 50 anos.

Há duas décadas que a região oeste da Antártida contribui, de maneira significativa, para a elevação do nível do mar, contrariamente à região este, que mantém-se em equilíbrio, na medida em que a quantidade de gelo perdida é igual à quantidade de neve que alimenta os glaciares.

A contribuição de um glaciar para o aumento do nível dos oceanos deve-se à parte do gelo que flutua nas águas, e que se derrete ou se desmembra, dando origem, neste último caso, a um icebergue.

Ora, de acordo com os investigadores, com o aquecimento global, o limite que separa a parte do gelo continental da parte flutuante no mar não para de diminuir, aumentando a massa de gelo que flutua no mar, o que leva à subida dos oceanos.