A Intel desenvolveu uma cadeira de rodas inteligente, apresentada numa feira de tecnologia em São Francisco, nos Estados Unidos, esta quinta-feira. Ou seja, um aparelho que coloca a tecnologia ao serviço das pessoas com mobilidade reduzida e com doenças que condicionam os seus movimentos.

É o caso do cientista Stephen Hawking, que dá a cara por este projeto e que já trabalha com os técnicos da marca há mais de uma década e a sua relação até vai dar lugar a um documentário.

Esta cadeira vem revolucionar e melhorar em muito a vida das pessoas com deficiência. A cadeira mede as batidas cardíacas, a respiração, a pressão sanguínea e a temperatura, e obedece aos comandos de um tablet, exigindo, por isso, apenas o toque.

Stephen Hawking sofre de distrofia neuromuscular, que dá pelo nome de Esclerose Lateral Amiotrófica - que tem sido falada nas últimas semanas graças a uma campanha de angariação de fundos que leva os colaboradores a darem um banho de água fria.

Uma doença altamente limitativa, mas que não impediu o cientista de concretizar projetos e sonhos.

O homem que tem desvendado alguns dos maiores segredos do universo, só não consegue encontrar a cura para a sua doença.

Isso também não o tem impedido de tentar fazer uma vida o mais normal possível, como na quinta-feira, em que esteve a passear pela ilha da Madeira, durante a pausa de um cruzeiro na ilha.