Uma investigação da Universidade Nacional Australiana consegue explicar o processo que deu lugar à separação da Austrália, Índia e Antártida. As novas tecnologias foram postas ao serviço da História.

Austrália, Índia e Antártida formavam o continente Gondwana, que se começou a desmembrar há 165 milhões de anos.

Gondwana dividiu-se numa primeira fase no leste, que agrupa Antártida, Índia, Madagascar e Austrália, e a oeste em América do Sul e África; depois, ainda se subdividiu, dando origem a Índia e Madagascar por um lado, e Austrália do outro.

Ora, é precisamente na revista «Research Gondwana» que surge esta pesquisa.

Os cientistas utilizaram um programa de informática que permite obter coincidências entre as características geológicas das placas tectónicas da Austrália, Antártida e Índia e, depois, retroceder no tempo até conseguir reconstruir a imagem mais fiel do que era o continente Godwana.

Este novo modelo recria o movimento de Gondwana, no sentido dos ponteiros do relógio e traz uma nova perspetiva, ao dar um ponto de partida diferente para a Índia e a Austrália após se separarem da Antártida, como explicou o investigador Gordon Lister à ABC.

Assim, ficou a saber-se que a costa noroeste Austrália, dentro de 20 milhões de anos, vai juntar-se à ilha de Java na Indonésia, já que segue na direção da China. As voltas que o mundo dá.

O modelo informático pode ser ainda uma mais-valia para explicar como as placas tectónicas movimentam os continentes, provocam terramotos e tsunamis, acrescenta a agência EFE.