Uma equipa de investigadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (UC) vai aplicar um programa pioneiro de intervenção na depressão perinatal para “minimizar o elevado impacto negativo da depressão” na gravidez e no pós-parto.

O projeto de investigação, intitulado “Bem-estar perinatal – Rastreio, prevenção e intervenção precoce na depressão perinatal nos cuidados de saúde primários”, “pretende minimizar o elevado impacto negativo da depressão durante a gravidez e pós-parto”, afirma a UC, numa nota hoje divulgada.

Para desenvolver o estudo, que começará a ser aplicado em “meados de fevereiro”, estão a ser recrutadas grávidas voluntárias de todo o país, com mais de 18 anos, cujas inscrições são gratuitas e podem ser feitas pela internet ou pelo telefone, junto da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC).

De acordo com a coordenadora do estudo, Ana Telma Pereira, “todas as mulheres grávidas poderão, potencialmente, beneficiar com esta intervenção, pois a todas será dada a oportunidade de serem avaliadas quanto à presença de sintomas de depressão perinatal e fatores de risco associados”.

As grávidas que “mantiverem sintomas clinicamente relevantes após o programa ou a quem seja diagnosticada depressão perinatal serão encaminhadas para consulta externa de psiquiatria, para avaliação e tratamento especializado, por membros da equipa de investigação, no Centro de Responsabilidade Integrada de Psiquiatria e Saúde Mental do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra”, acrescenta a investigadora do Serviço de Psicologia Médica da FMUC.

Este estudo de prevenção/intervenção na depressão perinatal é financiado pelo Programa Iniciativas de Saúde Pública, EEA-Grants (MFEEE 2009-2014), “resultante do memorando de entendimento celebrado entre Portugal e os países doadores (Islândia, Liechtenstein e Noruega)”.