A China emprega dois milhões de pessoas para manter controlado o uso da Internet pelos cidadãos, segundo um órgão de comunicação social estatal, no raro vislumbre ao mundo secreto da vigilância «online» chinesa.

Muitos dos funcionários realizam simplesmente buscas por palavras-chave para monitorizar as dezenas de milhões de mensagens que são colocadas diariamente nas redes sociais e nos "sites" na Internet, segundo o jornal Beijing News.

As autoridades de censura da China controlam firmemente os conteúdos "on-line", por medo de instabilidade política ou social que possa desafiar o poder do Partido Comunista no poder.