Um vídeo do Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS, na sigla em inglês) mostra como é o dia a dia de um urso polar no Mar de Beaufort, no Ártico, a partir do seu ponto de vista. As imagens impressionantes surgem numa altura em que um novo relatório do governo norte-americano indica que, caso não haja uma redução significativa das temperaturas a nível mundial, os ursos polares terão muitas dificuldades em sobreviver.

As novas imagens foram captadas através de uma câmara colocada num urso polar do Ártico - uma fêmea, neste caso. Os cientistas do Serviço Geológico norte-americano queriam perceber como é que os ursos polares estão a lidar com o degelo, provocado pelo aquecimento global.

A câmara permitiu aos investigadores estudar vários aspetos das rotinas do animal como, por exemplo, as suas mudanças de comportamento ou a forma e a frequência com que procura alimento.

As imagens captadas evidenciam a importância do gelo do oceano Ártico quando o animal tenta procurar comida. E de acordo com os cientistas, o urso polar passa 50% do dia a caçar e apenas 2% das suas tentativas são bem sucedidas.

Mas o gelo também é importante para outras coisas, como para o urso se deslocar entre as diferentes zonas da região.

“Os ursos polares também precisam de gelo para viajar entre diferentes zonas para encontrar os companheiros – o gelo é uma parte crítica do seu ecossistema”, sublinha Rod Downie, da organização não governamental World Wide Found for Nature (WWF).

O vídeo surge numa altura em que um novo relatório do governo dos Estados Unidos faz novos alertas sobre as consequências do aquecimento global para os ursos polares. De acordo com o documento, é “improvável” que estes animais consigam sobreviver se as temperaturas não forem reduzidas a nível global.

“Sem reduções significativas nas temperaturas globais… é improvável que os ursos polares  sejam recuperados”, afirmou a agência que sublinha que a espécie continuará a ser considerada em perigo de extinção.