O fóssil de um escorpião com 350 milhões de anos foi descoberto na África do Sul. Foi considerado o mais velho animal terrestre que viveu no supercontinente Gondwana.

A nova espécie, a que deram o nome «Gondwanascorpio emzantsiensis», fornece aos cientistas várias pistas acerca do desenvolvimento da vida antes dos continentes da Terra se terem separado e formado o globo como hoje o conhecemos.

Robert Gess, do Instituto de Estudos da Evolução da Universidade de Wits, em Joanesburgo, na África do Sul, encontrou os fragmentos do escorpião perto de Grahamstown, no cabo este da África do Sul. «Pela primeira vez temos a certeza de que, não apenas escorpiões, qualquer coisa já estava na Terra nesse período», afirmou.

Esta descoberta revela-se a mais recente prova da presença de animais terrestres no Gondwana, uma massa de terra que incluía África, a América do Sul e a Austrália e que formava uma parte do supercontinente Pangeia, de acordo com a AFP.

Uma prova de vida para esse período da História só tinha sido descoberta na parte norte da Pangeia, ou seja, naquilo que são hoje os Estados Unidos e a Ásia.

«Não havia provas de que a Gondwana era inabitada por animais invertebrados terrestres nessa altura», referiu o investigador Robert Gess.