Os benefícios do revesratrol não são conhecidos de agora. Já é usado em suplementos alimentares de emagrecimento e anti-envelhecimento. Mas, agora, um estudo da Universidade de Georgetown, nos Estados Unidos, encontrou uma nova utilidade para esta substância que se encontra maioritariamente em frutos de pele vermelha, como as uvas e as framboesas, mas também no chocolate preto: o combate à doença de Alzheimer. 

Este grupo de cientistas concluiu que o revesratrol permite a construção de uma espécie de barreira no sangue que impede as células “más” tenham acesso ao cérebro.

As conclusões resultam do acompanhamento de 119 pacientes durante um ano. A metade que recebeu o tratamento à base de revesratrol teve uma redução de 50% do fluido de MMP-9, as enzimas responsáveis pela degradação das células.

A dose de revesratrol ministrada correspondeu à percentagem desta substância que se encontra em 1.000 garrafas de vinho tinto.

A responsável pelo estudo, Charbel Moussa, mostrou-se muito satisfeita com os resultados, uma vez que pemitem pensar que a “resposta à imunidade da doença de Alzheimer pode vir, em parte, de fora do cérebro”, segundo cita o Telegraph.