O tratamento antiandrogénico contra o cancro da próstata quase duplica o risco dos homens virem a sofrer da doença de Alzheimer, face aos que não recorrem a esta terapia, segundo uma análise de dados clínicos de dois hospitais norte-americanos.

Quanto maior for a duração deste tratamento, que bloqueia o funcionamento da testosterona e impede a sua ação, maior é o risco dos homens serem diagnosticados com Alzheimer, concluíram os investigadores deste estudo que foi publicado na segunda-feira na revista médica Journal of Clinical Oncology.

A pesquisa não prova que o tratamento antiandrogénico aumenta este risco, mas aponta claramente esta possibilidade.

Estes resultados corroboram outras evidências segundo as quais um baixo nível de testosterona, a hormona masculina, diminuiria a resistência do cérebro contra a doença de Alzheimer nas pessoas que envelhecem.

"Com base nos resultados do nosso estudo, o aumento do risco de Alzheimer é um efeito potencial do tratamento antiandrogénico, mas são necessárias mais pesquisas antes de alterar a prática médica para o tratamento do cancro da próstata", explicou Nigam Shah, professor adjunto de informática biomédica da Universidade de Stanford (Califórnia) e principal autor do estudo.

Os androgénios, as hormonas masculinas, desempenham um papel essencial ao estimular o crescimento das células cancerosas da próstata. Por isso, as terapias que suprimem a produção dos androgénios são frequentemente usadas contra o cancro.