Um estudo realizado pela Deep (Desenvolvimento e Envolvimento Estratégico de Pessoas e Clientes) confirmou que o fácil acesso às redes sociais no ambiente de trabalho, prejudica o rendimento dos funcionários.

Durante um período de seis meses, a empresa acompanhou a rotina de trabalho de um grupo de 12 empregados, de forma a entender a influência das plataformas sociais.

Apesar dos pontos positivos, a pesquisa revelou que, em média, os trabalhadores gastam 1h16 diariamente com questões que envolvem o acesso às redes sociais.

«O telemóvel, a Internet, as redes sociais são, sem dúvida, ferramentas importantes. Basta ver as páginas e perfis corporativos que aproximaram clientes e marcas, por exemplo. Mas, no âmbito profissional, a ausência de critérios para o seu uso e falta de bom senso, estão a prejudicar o trabalho de várias maneiras», sublinhou a especialista em desenvolvimento humano e diretora da Deep, Juliana Dutra Juliana.

Ainda de acordo com o estudo, o uso das redes sociais no local de trabalho pode influenciar outros fatores, como a concentração e a desmotivação, contribuindo ainda mais para uma menor produtividade.

Todos estes elementos conjugados conferem às empresas, uma perda financeira anual, em média, de 1400 euros, por funcionário.