As crianças nascidas nos meses de verão têm mais hipóteses de serem mais altas e mais fortes. É o que sugere um estudo realizado na Grã-Bretanha e que envolveu cerca de 450 mil pessoas.
 
Os cientistas acham que a explicação para isso está na absorção de Vitamina D por parte das grávidas, nos meses finais de gravidez, na primavera e no verão. Ou seja, a saúde e a estatura são influenciadas pela exposição da mulher ao sol nos dois últimos trimestres da gravidez, já que o sol é fundamental para a absorção de Vitaminha D. A Vitamina D é fundamental para o crescimento, para a saúde dos ossos e para a prevenção de doenças como o cancro, a diabetes tipo 1 e a esclerose múltipla.
 
O mesmo estudo, de acordo com o jornal britânico The Telegraph, revela que as meninas nascidas no verão começam a puberdade mais tarde, o que se traduz, dizem os investigadores, numa indicação para uma saúde mais resistente na vida adulta.
 

“A altura em que se é concebido ou se nasce é, em grande medida, um fator aleatório – não é afetada pela classe social, pela idade ou pela saúde dos pais. Então, olhar para um padrão do mês de nascimento é um poderoso indicador para identificar influências do ambiente antes do nascimento”, explica John Perry, professor na Universidade Cambridge e diretor do estudo.

 

“Ficámos surpreendidos ao verificar as similaridades de padrões, no que toca ao peso de nascimento e ao início da puberdade. Os resultados que obtivemos mostram que o mês em que se nasce tem um efeito preponderante no desenvolvimento e na saúde, embora seja ainda necessário trabalhar no sentido de perceber os mecanismos por detrás destes efeitos.”

 
 
Os cientistas analisaram os dados biológicos de 450 mil britânicos e concluíram que as crianças nascidas em Junho, Julho e Agosto nasciam com mais peso e eram mais altas em adultos. As crianças nascidas nos meses de verão tinham 10% menos de hipóteses de ter uma estatura baixa. Os dados são mesmo mais concretos: a média dos britânicos nascidos em dezembro serão, em média, três milímetros mais baixos do que os que nascem em junho.
 
“Ainda não conseguimos perceber exatamente os mecanismos que causam estes padrões de nascimento, no que toca ao peso, altura e puberdade. Necessitamos perceber melhor estes mecanismos antes de as nossas descobertas serem aplicadas em benefício da saúde”, alerta John Perry, citado pelo The Telegraph.
 
Os cientistas acreditam que as explicações estão na absorção de Vitamina D, mas recordam que os britânicos objeto de estudo nasceram todos antes de ser recomendada a ingestão de suplementos de Vitamina D durante a gravidez. Assim, um estudo realizado em bebés nascidos atualmente, alertam, poderia apontar para resultados diferentes.