O aleitamento materno reduz o risco de cancro da mama afirmou esta segunda-feira um investigador espanhol. António Llombar, presidente da Fundação Instituto Valenciano de Oncologia e vice-presidente da Associação Espanhola Contra o Cancro, explicou que o aleitamento permite à glândula mamária completar um ciclo que começa na gestação e que interromper a amamentação pode facilitar o aparecimento do cancro.

“Amamentar os filhos é concluir o ciclo fisiológico funcional da glândula mamária e proteger a mulher do cancro da mama,” assegurou António Llombart, em declarações à agência EFE.

O especialista explicou que a secreção látea “é um produto final do que constitui a função fisiológica da glândula mamária.”

"Interrompê-la no momento em que funciona no seu momento alto de expressão condiciona a aparição de alterações na vida das células da glândula com mortes precoces que podem iniciar fenómenos de mutações oncogénicas," acrescentou.

De acordo com Llombart, o aleitamento materno beneficia não só o filho, que recebe através da mãe uma imunidade que o protege de várias doenças, "como a própria mãe, que vai completar o ciclo da glândula mamária durante a gestação com a secreção látea."

O aleitamento materno é uma das recomendações do "Código Europeu contra o Cancro em Espanha" para impedir o aparecimento do cancro da mama tal como evitar o tabaco, o álcool, exposições solares excessivas e realizar a vacinação contra o vírus do papiloma humano.

O responsável pelo Serviço de Oncologia do Instituto Valenciano de Oncologia, Vicente Guillem, destacou que em Espanha há cerca de 250 mil novos casos de cancro por ano e morrem 100 mil todos os anos, ou seja, 40% dos pacientes, pelo que Guillem defende ser "necessário" uma investigação em oncologia tanto epidemiológica, como básica, clínica e biotecnológica.