A existência de vida noutros planetas não está apenas a ser estudada pela NASA. O Vaticano está também a investigar esta possibilidade. O astrónomo chefe da Igreja Católica afirma acreditar que existem extraterrestres, mas que nunca tiveram um encontro com Jesus Cristo.

A descoberta de planetas semelhantes à Terra, pela NASA, incendiou a especulação sobre a existência de vida noutros planetas. O mesmo aconteceu no Vaticano que, se há 380 anos condenou Galileu Galilei por afirmar que a Terra não era o centro do universo, agora admite que é possível existir vida inteligente noutros planetas.

Segundo o Daily Mail, os astrónomos do Observatório do Vaticano, que têm estudado o universo desde 1582, afirmaram que as novas descobertas científicas apontam para que as especulações sejam verdade, mas que é improvável que tenha havido uma segunda aparição de Jesus Cristo noutro lugar do Universo.

“A descoberta de vida inteligente não quer dizer que exista outro Jesus”, disse José Gabriel Funes, astrónomo chefe do Vaticano, em entrevista à AFP. “A incarnação do filho de Deus é um evento único na história da humanidade e do universo”.


O chefe de astronomia da Igreja afirmou também que a possibilidade de existir vida noutros planetas não contraria a ideologia católica. José Funes já tinha dito, em 2008, que que os humanos não deviam colocar limites à criatividade de Deus.

Contudo, o padre duvida que os humanos tenham um encontro com uma civilização extraterrestre e que “alguma vez encontrem um Mr. Spock”.

Os comentários de José Funes mostram a evolução da visão do Vaticano sobre a ciência.

No ano passado, o Papa Francisco afirmou acreditar ter sido o Big Bang a criar a Terra, há 13 mil milhões de anos, fazendo “parte dos planos de Deus”. Em 1992, o Papa João Paulo II pediu desculpas publicamente pela condenação de Galileu Galilei, em 1633.