Em 2050 vai haver mais plástico do que peixe nos oceanos. Esta é a conclusão de um estudo realizado pela Fundação Ellen MacArthur e publicado pelo  World Economic Forum. O documento alerta para o crescente consumo e produção de plástico que, apesar de ser um material resistente para os seus propósitos, é muito difícil de fazer desaparecer sem prejudicar o ambiente.

Nos dias que correm os oceanos já estão poluídos. Mas segundo o trabalho, se o consumo de plástico seguir a mesma linha, em 2050 vai haver mais plástico no oceanos do que peixes.

A produção de plástico tem vindo a crescer nas últimas décadas. Desde 1964, a produção multiplicou-se por 20, chegando às 311 milhões de toneladas em 2014. O documento prevê que a produção de plástico volte a duplicar nos próximos 20 anos e que, em 2050, já tenha quadruplicado.

O estudo revelado na terça-feira, afirma que 32% de todo o plástico utilizado escapa aos sistemas de recolha e reciclagem, acabando por ir parar a ecossistemas naturais. Todos os anos, 8 milhões de toneladas de plástico acabam nos oceanos.

Mas não é só nos oceanos que se encontra o problema. A indústria do plástico é também responsável por 6% do consumo de petróleo no mundo. Em 2050 prevê-se que venha a ser responsável por 20%. Além do mais, o fabrico do plástico, por si só, produz emissões de carbono e, em 2050, essas emissões devem representar 15% do mapa geral.