A poluição atmosférica está a afetar as capacidades cognitivas do ser humano. A conclusão é de um estudo publicado esta terça-feira, no Proceedings of the National Academy of Sciences.

Investigadores do International Food Policy Research Institute (IFPRI) concluíram que uma exposição prolongada à poluição provoca uma “progressiva redução das capacidades verbais e matemáticas”.

Os cientistas analisaram dados do China Family Panel Studies, mapeando as capacidades cognitivas de cerca de 32 mil pessoas, entre 2010 e 2014, e a relação com a exposição à poluição por curtos e prolongados períodos de tempo. Concluíram que quer as capacidades verbais, quer as capacidades matemáticas “diminuíram com a exposição cumulativa à poluição atmosférica. Verificaram, assim, um declínio nas capacidades verbais, sobretudo entre homens mais velhos e com níveis educacionais mais reduzidos.

O impacto que a poluição do ar provoca sobre o envelhecimento do cérebro provavelmente impõe custos substanciais à saúde e à economia, considerando que o funcionamento cognitivo é crítico para os idosos, que executam tarefas diárias e tomam decisões económicas de alto risco", disse Xiaobo Zhang, da Universidade de Pequim, um dos autores do estudo, citado pela CNN.

Os cientistas alertam ainda que este declínio cognitivo pode tornar a exposição à poluição atmosférica num potencial risco para demências, incluindo a doença de Alzheimer

É conhecido que a China é um dos países com níveis de poluição mais acentuados. Mas o estudo vem levantar preocupações a outros países desenvolvidos ou em vias de desenvolvimento.

Xiaobo Zhang sublinha que "os danos na capacidade cognitiva provocados pela poluição do ar impedem provavelmente também o desenvolvimento do capital humano”. "As nossas descobertas sobre o efeito prejudicial da poluição do ar na cognição implicam que o efeito indireto da poluição no bem-estar social pode ser muito maior do que se pensava anteriormente", lembra o coordenador do estudo.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, 90% das pessoas respiram ar contaminado. As regiões mais afetadas são África e Ásia.