A resposta para o Nokia 105 ser o telemóvel favorito do Estado Islâmico é simples: é um aparelho económico, relativamente resistente à água e à poeira e, ainda, desenhado para durar.

O grupo extremista não o utiliza, contudo, para fazer chamadas, mas para a fabricação de bombas.

De acordo com um relatório agora divulgado pelo grupo de investigação de armas Conflict Armament Research, com sede em Londres, este modelo de telemóvel tem sido usado repetidamente pelo autodenominado Estado Islâmico na construção de um tipo específico de arma de controlo-remoto.

Os investigadores analisaram 700 componentes recuperados de bombas e perceberam que o nokia 105 é muitas vezes utilizado para detonações remotas.

O Nokia 105, da Microsoft, é uma versão atualizada do nokia 1280, um dos mais populares da marca, e não custa muito mais do que 18 euros.

O modelo mantém as características técnicas do antecessor.

Esta associação ao Estado Islâmico provavelmente não agradará a Nokia, mas há pouco que a empresa possa fazer para evitar que os fundamentalistas islâmicos utilizem os telemóveis da marca.