Os nossos automóveis são, cada vez mais, um baú de tesouros da tecnologia de ponta. Os carros sem condutor, por exemplo, vão permitir que os passageiros se sentem, digam ao computador de bordo para onde querem ir e o carro trata do resto.
 
A Rinspeed é uma empresa suíça especializada em «concept cars». No último Salão Automóvel de Genebra apresentou aquilo que acredita ser o futuro dos transportes: o «Rinspeed XchangE», que tem mais a ver com um escritório ou uma sala de estar sobre rodas do que propriamente com um automóvel, tal como os conhecemos.
 
«O 'Rinspeed XchangE' trata de condução autónoma, sem condutor, graças a um piloto automático. A partir do momento em que o carro faz tudo, já não é preciso ficarmos a ver se o volante vira para a esquerda ou para a direita; queremos é poder trabalhar, relaxar, entreter-nos, tudo menos ficar a olhar pela janela», afirmou Frank M. Rinderknecht, fundador e CEO da empresa. 

Com quatro lugares, o XchangE deixa adivinhar um futuro em que as reuniões de trabalho dentro de um automóvel se tornarão comuns. Os computadores tratam da condução e da navegação propriamente ditas.

Para além dos extras habituais, a iluminação interior pode ser ajustada ao gosto de cada um, graças às 380 lâmpadas LED controladas individualmente.

«Cada vez mais os carros eléctricos deixarão de ser uma coisa de hippie, para se tornarem algo high-tech e prestigiante», explica Frank M.  Rinderknecht.

A empresa prevê que os automóveis sem condutor comecem a circular nas nossas estradas lá para 2020, o tempo suficiente para sossegar as dúvidas dos consumidores e regulamentar devidamente esta nova tecnologia.