Um porco, de 331 quilos, foi diagnosticado com cancro do sangue. Nemo, o animal, foi transportado pelo dono para o hospital veterinário da Universidade Cornell, em Ithaca, Nova Iorque. Os veterinários conseguiram curar o animal e o processo revelou-se um marco histórico na ciência.

«Antes, quando os animais de grande porte eram diagnosticados com cancro, era quase impossível tratá-los», disse Emlily Barrell, que ajudou na quimioterapia de Nemo, citada pela Reuters. «Agora temos um modelo para nos basearmos».

Uma vez que os porcos têm pescoços muitos largos, torna-se difícil chegar às veias para administrar os remédios dos tratamentos. Os médicos, com a ajuda de investigadores da mesma universidade, conseguiram implantar no animal um cateter numa veia do pescoço, permitindo que fossem aplicados os remédios de tratamento do cancro no animal.

Acredita-se que Nemo está a estabilizar e vai regressar a casa em setembro se tudo continuar a correr como planeado, refere Barrell.

Quanto aos custos, que tanto o dono como os médicos ocultaram, o proprietário do animal, Goldner, disse que «havia duas opções: uma era deixar o porco morrer e a outra era dar-lhe uma oportunidade. Agora penso que o caso de Nemo pode, certamente, fornecer alguma ajuda» à ciência.