Não são precisos 80 dias, como Willy Fog, para dar a volta ao mundo. Nem 80 horas, a avaliar pelo projeto da Airbus. A construtora aeronáutica registou, nos Estados Unidos, a patente de um avião ultrarrápido.

Um aparelho capaz de uma velocidade quatro vezes superior à velocidade do som, permitindo ir de Paris a São Francisco ou de Tóquio a los Angeles em apenas três horas, de acordo com o Capital.fr.

Depois de ter feito o maior avião, o A380, a Airbus prepara-se para construir o aparelho mais rápido da aviação civil.

A invenção, da autoria de Yohann Coraboeuf e Marco Prampolini, propõe-se atingir os 30 mil metros de altitude. Um meio de transporte exclusivo, já que só permitirá levar 20 pessoas, mas com uma autonomia para nove mil quilómetros, graças a um sistema mecânico complexo, alimentado a hidrogénio e oxigénio líquidos.

Quando é que este avião sai do papel é a pergunta que se segue. Os media já lhe chamam o sucessor do Concorde. O avião supersónico que deixou de operar em 2003, por decisão conjunta da British Airways e da Air France. Para esse ponto final muito contribuiu o acidente com um voo da companhia francesa em 2000. A queda do aparelho fez 113 vítimas.