Uma empresa espanhola, a Tecnológica, pegou nos 9,7 gigabytes roubados do site de relações extraconjugais Ashley Madison e criou um mapa interativo que mostra o número de utilizadores e a percentagem de homens que procuram sexo fora do casamento, por localidades, em todo o mundo.

Em Portugal, é no Norte que se concentra o maior número de traidores. Só no Porto, há quase oito mil pessoas registadas na plataforma.

Os 34 milhões de usuários estão divididos em 50.000 localidades, repartidos por 48 países. Só em Portugal há pelo menos 120 mil utilizadores.

De acordo com o mapa, é no Porto que se trai mais. Há 7.399 usuários do distrito registados no portal, 89.7% dos quais são homens.

Braga e Aveiro também têm das maiores taxas de utilização do país, com 1743 e 1399 utilizadores, respetivamente, ambos com uma percentagem de usuários do sexo masculino a rondar os 90%. As duas localidades têm ainda mais utilizadores do que a Grande Lisboa, que regista apenas 1266 pessoas registadas.

Já nos arredores da capital, os locais com maior taxa de infidelidade são a Amadora, com 1743 utilizadores, e Sintra, com 1045. Em terceiro lugar surge Cascais, com 1000 pessoas registadas.

Em Portugal, em média, 86.7% dos usuários são do sexo masculino, uma tendência que se regista em todo o mundo. O Fogueteiro é o local com maior percentagem de mulheres inscritas no país, atingindo os 25%.




Segundo os dados, os locais no mundo onde há mais mulheres que traem são California City, nos EUA, onde 65% das pessoas registadas são do sexo feminino, seguido de Studio City, que pertence também ao estado da Califórnia, com 44%, e da cidade norte-americana de Natick, em Massachusetts, com 37%.

Os EUA lideram também a lista, com o maior número de pessoas registadas. Nova Iorque é o local do mundo onde há maior número de traidores: 268 mil. Em segundo lugar está Sidney, na Austrália, com 254 mil, seguida de Madrid, com 135 mil.

O responsável pelo estudo, Juan Alonso, afirmou que há muitos mais usuários e municípios que não aparecem no mapa, porque “para integrar o estudo, as cidades devem ter pelo menos 10 utilizadores”. A empresa decidiu dividir os traidores por regiões porque “os dados brutos pareciam demasiado gerais”.