O futuro da Facebook, Inc. pode passar por projetos nas áreas da realidade virtual e da inteligência artificial. A empresa testou também recentemente, e com sucesso, o  Aquila - um drone que entre as pontas das asas é maior que um Boeing 737.

Na conferência F8 que a rede social organiza, onde Mark Zuckerberg enfrenta o desafio de explicar a investidores e utilizadores o rumo da empresa. É também neste encontro que são apresentados alguns projetos da empresa.

O primeiro destes projetos a ser apresentado está relacionado com a área da realidade virtual. O Facebook passa assim a suportar «vídeos esféricos», em que o utilizador passa a controlar o ângulo de visão, como se controlasse a própria câmara.

«Há cinco anos, grande parte do conteúdo no Facebook era texto. Agora são photos. Daqui por cinco anos será o vídeo. Depois disso, será o conteúdo imersivo tal como a realidade virtual.», preveu Zuckerberg no seu Facebook.

Zuckerberg apresentou também o projeto «Aquila», cujo nome deriva do latim «Águia». O «Aquila» está integrado no projeto Internet.Org da empresa e consiste num avião não tripulado de elevada envergadura, desenhado para voar a uma altitude superior a 18 quilómetros e, a partir do céu, distribuir Internet sem-fios a populações em regiões remotas.



O cofundador da rede social apresentou também mais um projeto da empresa, relacionado com a inteligência artificial. De acordo com o comunicado de Zuckerberg, o Facebook construiu um sistema capaz de detetar o desporto que aparece num determinado vídeo.

Um vídeo disponível no mural de Zuckerberg mostra como o sistema identifica até desportos mais obscuros e consegue até discernir o resultado das partidas através de uma análise das imagens.